Diretoria e Comitê Executivo


Presidente

Gladys Mitchell-Walthour

 

gladysmitchellwalthour

 

Departmento de Africologia
University of Wisconsin Milwaukee
A Dra. Gladys Mitchel-Walthour é uma cientista política especializada em política racial brasileira. Seu trabalho examina comportamentos politicos afro-brasileiros, cotas e desigualdade racial. O seu livro “The Politics of Blackness: Theorizing Racial Identity and Political Opinion in Contemporary Brazil” está sob contrato na Cambridge University Press. Ela é professora assistente de Políticas Públicas no Departamento de Africologia da Universidade de Wisconsin Milwaukee. Foi a 2013-2014 Lemann Visiting Scholar no Centro David Rockefeller para Estudos Latino-Americanos na Universidade de Harvard. Ela co-editou o livro Race and the Politics of Knowledge Production Diaspora and Black Transnational Scholarship in the United States and Brazil (2016) com Elizabeth Hordge-Freeman, Brazil’s New Racial Politics (2010), com Bernd Reiter, e publicou artigos em Racial and Ethnic Studies (2010), The National Political Science Review (2011), Latin American Politics and Society (2009), Opiniao Publica(2009), Review of Black Political Economy (2009), e Studies in Latin American Popular Culture (2008). Ela recebeu bolsas de pós-doutorado na Duke University e na Johns Hopkins University. A Dra. Mitchell-Walthour é mestre e doutora em Ciência Política pela Universidade de Chicago, mestre em Políticas Públicas pela Universidade de Michigan e bacharel em Ciência Política e Estudos Africanos e Afro-Americanos pela Duke University.

Vice Presidente

Marcelo Paixão

 

Economista formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado em Sociologia pelo IUPERJ. Desde 2015 é Professor Associado da Universidade do Texas, Austin afiliado aos Departamento de Estudos da Diáspora Africana (AADS) e ao Instituto Teresa Lozano Long para Estudos Latino-Americanos (LLILAS). Foi professor do Departamento de Economia da UFF (1996-1998) e do Instituto de Economia da UFRJ (1999-2015), tendo coordenado neste último o Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e Estatísticas das Relações Raciais (LAESER). Foi professor visitante na Universidade de Princeton entre 2012 e 2013 onde participou do Projeto Etnia e Raça na América Latina (PERLA). É autor de diversos livros sobre relações raciais e de trabalho no Brasil, entre outros A Lenda da Modernidade Encantada (Ed. CRV) e 500 Años de Soledad: estudíos sobre las desigualdades raciales en Brasil (Ed. Universidad Nacional de Colombia).

 

Ex-Presidente

vice

Bryan McCann

Departamento da História, Georgetown University

Bryan McCann é Professor de História Brasileira na Georgetown University. Sua obra mais recente, Tempos Difíceis na Cidade Maravilhosa: da Ditadura à Democracia nas Favelas do Rio de Janeiro (Duke, 2013) explora o relacionamento político entre as favelas do Rio e os governos do estado e dos municípios. Suas obras anteriores analisam o rádio e música popular no Brasil desde os anos 30 até os anos 50, assim como temas relevantes na cultura e política brasileira desde a sua redemocratização.

 

Comitê Executivo

Ana Lucia Araujo

Araujo picture

Ana Lucia Araujo é historiadora social e cultural. Seu trabalho explora a história e a memória do tráfico atlântico de escravos e a escravidão e seus legados sociais e culturais. Nos últimos quinze anos, ela escreveu e editou mais de dez livros e publicou quase cinquenta artigos e capítulos sobre esses temas. Com foco no Brasil, seu trabalho também carrega uma dimensão transnacional. Ela conduziu pesquisas de arquivamento e fieldwork na República do Benin, Canadá, Inglaterra, França e Estados Unidos. Seus livros de autoria única são Brazil Through French Eyes: A Nineteenth-Century Artist in the Tropics (2015), Shadows of the Slave Past: Memory, Heritage and Slavery (2014), Public Memory of Slavery: Victims and Perpetrators in the South Atlantic (2010) e Romantisme tropical: l’aventure illustrée d’un peintre français au Brésil.. Seu livro Reparations for Slavery and the Slave Trade: A Transnational and Comparative History está previsto para 2017. Atualmente, Ana Lucia Araujo é professora titular do Departamento de História da Howard University, em Washington DC, nos Estados Unidos, onde ela ensina cursos sobre história do Brasil, história da América Latina, escravidão e tráfico atlântico de escravos.

 

Sidney Chalhoub

Eu ensinei história na Universidade de Campinas (UNICAMP, Brasil) por trinta anos antes de me mudar para Harvard em julho de 2015. Publiquei três livros sobre a história social do Rio de Janeiro: Trabalho, lar e botequim (1986), sobre a classe trabalhadora cultura no início do século XX; Visões da liberdade (1990), sobre as últimas décadas da escravidão na cidade; e Cidade febril (1996), sobre cortiços e epidemias na segunda metade do século XIX. Também escrevi Machado de Assis, historiador (2003), sobre a literatura e as ideias políticas do mais importante romancista brasileiro do século XIX, e co-editei seis outros livros sobre a história social do Brasil. Minha monografia mais recente é A força da escravidão: ilegalidade e fantasia no Brasil oitocentista (2012), sobre a escravidão ilegal e a precariedade da liberdade no Brasil oitocentista. Eu fui Professor Visitante na Universidade de Michigan (1995, 1999, 2004), Professor Visitante Tinker na Universidade de Chicago (2007), e pesquisador na Universidade de Stanford (2010-11) e no Centro de Pesquisa Internacional “Work and Human Lifecycle in Global History” na Humbold Universität, Berlim (2013). Sou fundador e permaneço associado ao Centro de Pesquisa em História Social da Cultura (CECULT), da Universidade de Campinas (http://www.cecult.ifch.unicamp.br/). Eu tenho muito orgulho de cada um dos 25 alunos de pós-graduação que concluíram suas dissertações sob minha supervisão na UNICAMP e que agora ensinam em universidades brasileiras espalhadas por todo o país.

Inês Dourado, UFBA, Saúde Pública

INES

Inês Dourado, MD, MPH, PhD, é professora titular e pesquisadora do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), no Nordeste do Brasil. O Instituto de Saúde Coletiva é uma instituição acadêmica líder em programas de pós-graduação em saúde pública, e possui uma das mais altas pontuações de avaliação do Brasil CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior do Ministério da Educação) na Região Nordeste, e entre outros três Programas de Pós-Graduação em Saúde Coletiva no país. No ISC, coordena o grupo de Pesquisa NEPADI – Núcleo de Ensino e Pesquisa em AIDS e outras Doenças Infecciosas, cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq.

Dra. Dourado é autora/co-autora de inúmeros artigos em revistas indexadas publicados no Brasil e no exterior, documentando o seu compromisso de longo prazo para a produção/divulgação do conhecimento, assim como para contribuir com a melhoria da saúde de populações de risco acrescido para HIV/AIDS.

 

Tracy Devine Guzman

Tracy Devine Guzmán é professora associada de estudos latino-americanos e diretora de pós-graduação no Departamento de Línguas e Literaturas Modernas da Universidade de Miami. Seus interesses de pesquisa e ensino são a interseção entre história intelectual e cultural, teoria social e política, filosofia e produção cultural, especialmente no Brasil e nos Andes. Ela recebeu o prêmio de 2006 da Seção Brasil da LASA por seu ensaio “Diacuí matou Iracema: o nacionalismo, o nacionalismo e a luta pela brasilidade” e o Prêmio José María Arguedas 2010 da seção Peru da LASA por seu artigo ““Rimanakuy ’86 and other Fictions of National Dialogue”. Sua monografia, Native and National in Brazil: Indigeneity after Independence (University of North Carolina Press) foi dado uma Menção Honrosa para o LASA Brazil Section Book Prize de 2014. O projeto atual de Devine Guzmán, “Transcontinental Indigeneities: Americas and the Global South”, é uma história intelectual comparativa que traça o fluxo de idéias racializadas e nativas/não nativas de indigeneidade pelas Américas e no Sul global entrelaçando reinos de estado e política regional, discurso acadêmico, memória institucional e produção cultural. Uma seleção de seu trabalho está disponível em: https://works.bepress.com/tracydevineguzman/

 

Leila Lehnen, Associate Professor of Portuguese and Brazilian Studies at Brown University

LEILA

Leila Lehnen é professora de literatura brasileira e latino americana. Sua pesquisa foca em questões de cidadania, direitos humanos, justiça social e democracia na literatura brasileira e latino americana contemporânea. Seu livro, Citizenship and Crisis in Contemporary Brazilian Literature (Cidadania e crise na literatura brasileira contemporânea, Palgrave Macmillan 2013) examina a representação e a crítica do que James Holston (2008) definiu como a “cidadania diferenciada” na literatura brasileira contemporânea. Ela publicou ensaios sobre cidadania, justiça social e direitos humanos, entre outros temas, na literatura brasileira e hispano americana contemporânea. Atualmente, ela está trabalhando em um livro sobre democracia e literatura brasileira contemporânea. Leila atuou como secretária da Associação Americana de Estudos Portugueses (APSA), como vice-presidente da APSA e atualmente é a presidente eleita da associação. Também atuou no comitê de seleção da conferência BRASA (2015, 2012 e 2006) e no Comitê de Seleção Jon M. Tolman Award (2014 e 2016). Se for eleita para o Comitê Executivo, Leila gostaria de continuar fomentando o diálogo entre os estudos literários e culturais e as ciências sociais dentro da associação.

 

Marcia Lima, Sociology, USP

MARCIA

Márcia Lima é professora do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo e pesquisadora sênior do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). Realizou Pós-Doutorado na University of Columbia (2011-2012). Foi bolsista no Hutchins Center for African and African American Studies na Universidade de Harvard (2016-2017). Tem pesquisado, publicado e supervisionado alunos nas seguintes áreas: mercado de trabalho, trajetórias educacionais, desigualdades raciais e de gênero e políticas de ação afirmativa no Brasil.

Tianna Paschel, African American Studies, Berkeley

TIANNA

Meu nome é Tianna Paschel e sou professora assistente de Estudos Afroamericanos da Universidade da Califórnia – Berkeley. Meu trabalho é interessado na ideologia racial, a política e a globalização na América Latina. Minha pesquisa é publicada nas revistas American Journal of Sociology, Du Bois Review, SOULS: Revista Crítica da Política, Cultura e Sociedade Negra, e Ethnic and Racial Studies. Eu sou a autora de Tornando-se Sujeitos Políticos Negros: Movimentos e Direitos Ethnoraciais na Colômbia e no Brasil, que se baseia em etnografia e análise de arquivos para analisar a transformação na década de 1990 de ideias de cidadania universal para regimes de cidadania multicultural e o reconhecimento de direitos específicos para as populações negras pelos estados Latino-americanos. Aguardo ansiosamente a oportunidade de ser mais ativa em BRASA através do Conselho Executivo. Nesta posição, gostaria de trazer a minha paixão por pensar em estudos brasileiros através de uma perspectiva comparativa transnacional, e meu compromisso de fazer pesquisa que é ligada a debates mais abrangentes na política e sociedade brasileira.

 

Amílcar Pereira

Amilcar Pereira

Amilcar Pereira é Professor Associado de História da Educação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ele é doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e durante o ano acadêmico de 2015-16 foi scholar visitante da Fulbright-Capes no Instituto de Estudos Latino-Americanos (ILAS) da Columbia University em Nova York. Ele desenvolveu pesquisas sobre as relações raciais no Brasil e em diferentes contextos nacionais, sobre as histórias das lutas anti-racistas na diáspora africana e sobre o ensino das histórias dos movimentos negros no Brasil e nos EUA. Ele é autor do livro O mundo negro: relações raciais e a constituição do movimento negro no Brasil (2013) e coeditor dos livros Histórias do movimento negro no Brasil (with Verena Alberti, 2007), Ensino de História e Culturas Afro-Brasileiras e Indígenas (with Ana Maria Monteiro, 2013), e Educação e Diversidade em Diferentes Contextos (com Warley da Costa, 2015), entre outros.

 

Patricia Pinho, Latin American and Latino Studies, UC Santa Cruz

PATRICIA

Motivado pelos Estudos Culturais, o meu trabalho gira em torno das questões de identidade e poder. Na minha pesquisa e ensino, eu busco enfatizar a importância do Brasil nos contextos mais amplos das Américas e da diáspora negra. Minhas publicações, incluindo Mama Africa: Reinventing Blackness in Bahia (Duke University Press, 2010), analisam os temas da negritude, branquitude, racismo e resistência ao racismo no Brasil. Meu livro mais recente, Mapping Diaspora: African American Roots Tourism in Brazil (University of North Carolina Press, no prelo, 2018), examina a construção da solidariedade negra transnacional no interior da geopolítica da diáspora Africana. Nasci e me criei em Salvador, Bahia, tenho doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, e vivo em trabalho nos Estados Unidos desde 2002. Sou atualmente professora no Departamento de Estudos Latino Americanos e Latinos na Universidade da Califórnia, Santa Cruz.

Sou membro da BRASA desde 2004, quando o congresso foi realizado no Rio. A mesa da qual participei tratou do tema “Novas Negritudes, Novas Atitudes” e foi uma excelente oportunidade para discutir ativismo e estética antirracista com acadêmicos/as/militantes brasileiros e estadunidenses. Se eleita para servir no Comitê Executivo da BRASA, trabalharei para fortalecer as conexões entre acadêmicos/as e militantes que atuam dentro e fora do Brasil. A construção de solidariedade local e internacional é uma forma crucial de luta, principalmente diante da gravíssima situação política brasileira pós-golpe de 2016. Você pode ouvir a minha entrevista para Voces Críticas/Critical Voices (em inglês) sobre a crise política no Brasil aqui: http://traffic.libsyn.com/kzscfm/Patricia_Pinho-podcast-Feb_8_2018.mp3 ou ler um sumário da entrevista (em português) aqui: https://www.conversaafiada.com.br/mundo/o-golpe-nasceu-no-julgamento-sic-do-mensalao

 

Sonia Roncador, Spanish and Portuguese, University of Austin, Texas

SONIA

Recebi meu título de mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília (1993), e título de doutora em Literatura Comparada pela Universidade de Nova York (1999). Sou professora de estudos culturais Luso-Brasileiros no departamento de Espanhol e Português da Universidade do Texas em Austin. No passado, ensinei na Universidade de Illinois (Urbana-Champaign), na Columbia, e como visitante na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Sou autora de três livros em Literatura Brasileira e História Cultural: Poéticas do empobrecimento (Annablume, 2002), que explora as interseções entre responsabilidade social e “ética do cuidado” (Nel Noddings) na obra tardia de Clarice Lispector; A doméstica imaginária (Ed. Universidade de Brasília, 2008), que revela a centralidade simbólica da figura da empregada doméstica no discurso intelectual brasileiro após a abolição, e argumenta que o espaço socio-econômico do serviço doméstico remunerado permanece profundamente estruturado pela cultura da servidão. Uma versão revisada e expandida deste livro foi publicada em Inglês: Domestic Servants in Literature and Testimony in Brazil (Palgrave Macmillan, 2014). Meu novo projeto, Imperial Trash: The Portuguese in the American Tropics (Brazil, Trinidad, and Hawaii), questiona o paradigma nacional nos estudos sobre a imigração Portuguesa, e demonstra a ressonância internacional dos mitos da “escravatura branca” e do “genocídio dos brancos nos trópicos” que mobilizaram os debates sobre migrações lusitanas para o Novo Mundo nos séculos XIX e XX (primeira metade). A partir de um panorama geográfico trans-atlântico, meu livro necessariamente examina os contextos justapostos do imperialismo europeu, da escravidão africana, e do serviço por contrato de dívida (indentured servitude) de imigrantes europeus e asiáticos.

 

Vivaldo Santos

Vivaldo Santos é professor associado, diretor do programa de português, diretor de graduação para espanhol no Departamento de Espanhol e Português e membro do Comitê do Corpo de Iniciativa da América Latina. Ele se juntou à faculdade de Georgetown em 1999.
As atividades internacionais incluem:
Autor de dois livros (em português) e 15 artigos de periódicos ou livros (em português e em inglês); projetos de pesquisa incluem “Scenes of the Capital”, a interseção entre economia e literatura na literatura luso-brasileira, literatura brasileira contemporânea (ficção brasileira do século XXI) e “O ABC do Português”, focado no ensino e a aprendizagem da língua portugesa em comunidades de imigrantes brasileiros; e outras áreas de pesquisa e especialização incluem literatura brasileira dos séculos XIX e XX, poesia de vanguarda, Carlos Drummond de Andrade, música popular brasileira, cinema brasileiro e teoria literária.

 

Dan Sharp

Aqui na Universidade de Tulane, sou professor associado de etnomusicologia e membro do corpo docente afiliado do Stone Center for Latin American Studies. Eu concentro minha pesquisa etnográfica no Brasil na pequena cidade de Arcoverde à beira do sertão pernambucano. Meu livro recente, “Between Nostalgia and Apocalypse: Popular Music and the Staging of Brazil”, explora como festivais, museus, a televisão e performances de músicos de turismo em nostalgia nacional-cultural. Ele também narra como músicos como os integrantes da banda Cordel do Fogo Encantado atuam como portadores da cultura folclórica enquanto buscam transformar suas apresentações musicais em um registro mais iconoclástico e até apocalíptico.

Secretariado de Brown


James Green

James Green

Departamento de História, Brown University

James N. Green é Professor de História e Estudos Brasileiros na Brown University. Ele é o autor de livros premiados, entre os quais estão Além do Carnaval: Homossexualidade Masculina no Brasil do Século Vinte (Editora da Universidade de Chicago, 1999; Editora da UNESP, 2000) e Não Podemos Permanecer Silenciosos: Oposição à Ditadura Militar Brasileira nos Estados Unidos (Companhia de Letras, 2009; Editora da Duke University, 2010). Também escreveu várias outras coleções traduzidas para a língua portuguesa, tanto como artigos sobre gênero, sexualidade, e política no Brasil. É o co-editor, com Thomas E. Skidmore e Peter T. Smith, de América Latina Moderna (Editora Oxford Press, oitava edição), e co-editor principal com Victoria Langland e Lilia Schwarcz de O Leitor Brasileiro: História, Política, e Cultura (Editora da Duke University). Ele está escrevendo uma biografia de Herbet Daniel (1946-92), um estudante de medicina brasileiro que se tornou lutador de guerrilla, escritor, ativista da AIDS e que viveu em exílio político. Green serviu como Presidente de BRASA de 2002-2004 e Presidente da Conferência sobre o Futuro dos Estudos Brasileiros nos Estados Unidos, que se realizou na Brown University em 2005.

James N. Green também é Diretor da Iniciativa Brasileira na Brown University e Diretor Executivo do Secretariado da BRASA.

Stern.1

Ramon Stern

Diretor Administrativo, Iniciativa Brasileira da Brown University e BRASA

Brown University

Ramon Stern é Diretor Administrativo da Iniciativa Brasileira na Brown University e do Secretariado da BRASA. Ele também se formou na Brown e tem pós-doutorado em Literatura Comparativa da Universidade de Michigan Ann Arbor.

Representante dos Estudos de Pós-Graduação


Lidiana de Moraes

Lidiana de Moraes is a graduate student of Romance Languages and Literatures at the University of Miami. Her research interests range from subaltern studies (focused on gender, race, and ethnicity), cinema and media studies, second language acquisition and sociolinguistics. Lidiana has published on the following topics: postcolonialism, translation studies, and contemporary Luso-Brazilian literatures